George Teles

É acumulador, batedor de perna e artista visual. Hoje vive em trânsito no Recôncavo – guardando no espaço entre o pó de ferrugem da ponte e tudo mais o que encontra no caminho. Suas investigações lidam com as oposições entre acúmulo-sobreposição e vazios-desgastes para tratar das afecções de um corpo em trânsito. É no bater de perna que o processo de coleta acontece. Todo escombro da cidade lhe serve de matéria para construção. Madeiras de descarte e chapas de ferro se transformam em matrizes para impressões; linhas e retalhos servem para a construção de tecidos e objetos. Entre a gravura expandida, a costura e o objeto, busca dar corpo a narrativas experienciadas no encontro entre essas subjetividades atravessadas. É graduando em Artes Visuais pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, desenvolve pesquisa em processos artísticos com ênfase em pintura e impressões contemporâneas, além de fazer parte dos grupos de pesquisa e extensão Áfricas nas Artes e Práticas Desobedientes.

portfólio 2019 - 2020

v4.jpg
v2.jpg
v3.jpg
v1.jpg
l3.jpg
l5.jpg
l2.jpg
l1.jpg

Oco 

monotipias, impressão s/ papel, 2019

Tecer rede de amparo (série parcial)

monotipias, impressão s/ papel, 2019

t8.jpg
ct2.jpg
ct3.jpg

Corpo tecido (série parcial)

monotipias, impressão s/ papel, 2019

t2.jpg
t3.jpg
t7.jpg

Resíduos dos primeiros encontros (série parcial)

monotipias, impressão s/ papel, 2019

O bater de perna e as gravuras enferrujadas 

 

O sabor do pó de ferrugem na ponta dos dedos ao caminhar pela ponte me serve de lembrança constante do meu eterno estar em meio ao caminho, em travessia. bater perna pelo recôncavo é entender que os afetos que acontecem no estar _entre_ atravessa e modifica um corpo como em nenhum outro lugar. caminhar e catar tudo o que consegue grudar no corpo molhado de parágûassu. é nesse trânsito cachoeira-são félix que gravo os primeiros corpos e aprendo cada vez mais a me deixar mole e rígido para o próximo encontro. _resíduos dos primeiros encontros_, série de gravuras enferrujadas que me coloca a entender o imprimir como um ato duplo, que afeta dos dois lados. o encontro entre o material e o papel já é um encontro. e daí entender as tramas do recôncavo como corpos que afetam e deixam marcas no outro me serve de fio condutor para a tecitura deste processo.